SAUDADE...

 

Engulo a saudade com goles de vinho seco.
Dói saber que não mais posso te ter.
Parte de mim  se conforma...
A outra enlouquece...


Inquieta alma que se afoga no charco da dor, soluços de angústia...
Por que amor, acabou de nascer, já insiste em morrer?
Chegada intranquila...


Nem bem se acomoda , desenha a partida.
Por que não fica? há tempo de sobra... Respira... Sossegue em meu peito, meu corpo ainda te quer.


Não vá! há tempo pra amar...
É cedo, não se despeça.
Há tempo pra ficar...


Os copos ainda estão cheios, desejos ainda transbordam, seque a bebida...
Não siga com o vento, há tempo de voltar.
Volte! cure a ferida corroída de lágrima e sal.

Estanque a sangria em ebulição.
Alimente generosamente esta desvairada paixão.


Volte! O tempo não acabou...
Metade de mim silencia.
A outra grita pra afugentar a solidão...

 

M.A.

 Trecho do filme: "Suplício de Uma Saudade"  - 1955

 

 

 

 

 

Please reload

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon

           www.janelafeminina.com

 created  by Marlúccia Araújo 2015

        Web designer:  Lucas Reis